Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Navegar num mar de letras

Um blogue que permitirá, aos seus autores, navegar pelas letras contando algumas histórias. E dedicado a quem ainda tem paciência para ler pessoas que gostam de andar por aí sem bússola.

Navegar num mar de letras

Um blogue que permitirá, aos seus autores, navegar pelas letras contando algumas histórias. E dedicado a quem ainda tem paciência para ler pessoas que gostam de andar por aí sem bússola.

Sempre ao teu lado...

por golimix, em 11.09.15

Custou-me a levantar, ultimamente tem sido assim, a cama exerce sobre mim um poder magnético contra o qual não possuo forças para lutar. Como tal, e já depois de banho tomado, continuo a sentir-me cansada e meia anestesiada. Ouço lá em baixo, na cozinha, o frenesim matinal, os miúdos começam novas, mas mais do que antigas, discussões do dia, e ele já depois de muita paciência esgotada manda-os calar, talvez pela enésima vez, mas como a voz saiu mais pautada, e já com um toque de irritação, surtiu efeito. Sinto a porta da entrada bater e resta o silêncio outra vez.

O silêncio é o que mais tenho ouvido nestes últimos meses, nem sei precisar quantos ao certo. Perdi a conta. Sinto que já nem os números têm importância. Visto-me lentamente, como se o futuro não existisse e o passado fosse eterno.

 

Ando pela casa sem saber o que fazer, apesar de ver que falta, aqui e ali, uma mão que dê um jeito à desarrumação instalada. Mas em nada toco. Pairo sobre tudo como se nada existisse…


Ele é o primeiro a chegar a casa. Eu estou no escritório a ler um livro que pousa há uns tempos na secretária sem que alguém lhe dê destino. Sinto os seus passos cansados escadas acima, caminha até ao quarto e ouço o queixume da cama indicando que ele se deixou cair nela. Vou, furtiva, espreitar… o que vejo deixou-me em plena angústia! Uma lágrima corre-lhe desenfreada pelo seu rosto por barbear. Tenho vontade de o afagar, abraçar e dizer que eu estou ali. Pedir-lhe que me deixe enxugar as suas lágrimas. Mas fico queda a observá-lo, até que a porta da entrada se abre novamente para deixar entrar os dois meninos. Parece que hoje vieram juntos da escola!

 

Ele seca as lágrimas e desce até à sala para se juntar às conversas que entretanto surgem. As vozes parecem distantes apesar de estarem mesmo ali ao lado. Desço também as escadas e junto-me a eles. Ouço-os a rir. Ele também ri, de forma contida, um riso que fica unicamente nos seus lábios preso a algo. Novamente surge em mim a vontade de o abraçar, e novamente algo me impede de o fazer. Para o jantar temos as sobras de ontem e improvisa-se mais alguma coisa. Os meninos põem a mesa e cada um procura o lugar onde é costume sentar-se, eu procuro o meu que está vazio! Eles evitam olhar para o meu lugar! O que fiz eu para me ignorarem assim? Acham que mereço? Sei que não ando bem e não pareço a mesma, mas isso não é motivo para se vingarem assim!

 

Nada digo! Não me apetece falar, muito menos discutir! Saio a correr da sala e corro para o quarto atirando com a porta atrás de mim. E choro…


Não sei quanto tempo se passou! Até que ele entra, e se deita na cama… Com a cabeça junto à minha, dividindo à almofada comigo, ouço-o dizer num suspiro


- Sinto a tua falta…

 

E eu percebo. Só agora percebo que ele não me ouvirá dizer que estou ali! Sempre estarei ao sei lado!

Constantina, a sonhadora III - fim

por Cris, em 10.09.15

Catarino Presente nem queria acreditar no que via. Era ela! Aquela com quem sempre sonhava havia dois anos! O que isso significava, nem ele entendia muito bem. E considerava-se ele especialista onírico! Mais grave ainda, ela sonhava com ele também! Começou a sentir um suor frio e uma ligeira indisposição, que lhe deixava as pernas bambas.

 

 - Conte-me como são os seus sonhos - conseguiu proferir.

 

E Constantina descreveu como o via sempre a sorrir para ela enquanto brincava com duas crianças pequenas, e que davam longos passeios. E que se sentia muito feliz nesses sonhos e um carinho especial por ele.

Catarino sorriu porque sabia exactamente o que se passava. Era o destino que tinha batido à porta do seu consultório.

 

P.S. E viveram felizes para sempre...

 

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D