Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Navegar num mar de letras

Um blogue que permitirá, aos seus autores, navegar pelas letras contando algumas histórias. E dedicado a quem ainda tem paciência para ler pessoas que gostam de andar por aí sem bússola.

Navegar num mar de letras

Um blogue que permitirá, aos seus autores, navegar pelas letras contando algumas histórias. E dedicado a quem ainda tem paciência para ler pessoas que gostam de andar por aí sem bússola.

O Meu Herói*

por Cris, em 18.06.15

Era uma vez um anão que teve três filhos: o Becas, o Bicas e o Bocas. Este último era tão pequeno, tão pequeno que casou e foi viver dentro de um sapato n.º 32. Bicas, o irmão do meio, assim conhecido por tirar as melhores bicas do país, morava em cima de uma máquina de café: um loft luxuoso com aquecimento central. Era solteiro e tinha já uma fortuna considerável. O pai anão estava sempre a perguntar-lhe quando casava, mas Bicas gostava da sua vida de bon vivant. O monstro das bolachas…

- Um momento!

- Sim?

- Queres explicar-me para que metes o monstro das bolachas agora?

- Venerando Narrador Omnisciente, ia falar do Becas que me faz lembrar os Marretas, ou seria a Rua Sésamo? Isso não interessa nada. Apeteceu-me meter o monstro das bolachas.

- Mas isso não está de acordo com a sinopse que nos foi dada.

- Venerando Narrador Omnisciente, não queria ter que o lembrar que nós, Narradores Inconscientes, ainda temos uma certa liberdade criativa. Vem no n.º 3 do artigo 10.º do Código dos Bloguistas.

- Pronto, fantasia lá à vontade!

- Aonde é que eu ia?

- No monstro das bolachas.

- Ah, sim. Isto porque queria falar do Becas, o herói desta história.

- Ai, esta história é de heróis?

- Não é de heróis, é do herói!

- Hum,

- Venerando Narrador Omnisciente, vê algum inconveniente nisso?

- Não, não, continua, que esta conversa já se alonga.

- Muito bem. Becas, o irmão mais novo, era um intelectual sonhador. Morava numa estante de livros e tinha como função afastar os bichos do papel e os ácaros. Era amigo das aranhas e tinha um acordo com elas, deixando-as fazer teias dentro de determinados limites, o que protegia os livros de outros bichos.

- E pronto.

- Desculpa lá, mas que raio de herói é esse?

- Venerando Narrador Omnisciente, é o meu herói!

- Santa paciência…

:p

 

* Este texto já tem uns anos e foi escrito para um desafio de um blog.

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D