Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Navegar num mar de letras

Um blogue que permitirá, aos seus autores, navegar pelas letras contando algumas histórias. E dedicado a quem ainda tem paciência para ler pessoas que gostam de andar por aí sem bússola.

Navegar num mar de letras

Um blogue que permitirá, aos seus autores, navegar pelas letras contando algumas histórias. E dedicado a quem ainda tem paciência para ler pessoas que gostam de andar por aí sem bússola.

Na alvura da tua pele me perco - parte VI

por golimix, em 21.05.15

Peço desculpa a quem tem vindo a seguir a história, que sei que só são três ou quatro pessoas, mas importantes para mim, pela minha demora em continuar a história.

 

Continuação daqui

bonde 8901.jpg

 

Nos dias que se seguiram aquela reunião abolicionista, e que ficou a conhecer Maurício, as noite de sono de Alice eram muito agitas. Ela tinha que saber se Maurício era quem ela desconfiava. O irmão negro que ela perdera anos atrás.

 

Começou, sempre acompanhada por Flor, por aparecer algumas vezes no consultório do tio, com a desculpa, para não levantar suspeitas, por levar um bolo, ou um lanchinho para ele, já que trabalhava tanto...  Sempre que encontrava Maurício este aparentava um certo nervosismo. Cumprimentava-a sempre distante e formal, mas ela via em seu olhar aquilo que ele tão cuidadosamente tentava calar.

 

Um dia, num final de tarde, encheu-se de coragem e saiu de casa sozinha! Algo não muito visto naquela época. Mas ela tinha que saber! E para isso tinha de sair só. Vestiu uma roupas simples, que tinha tirado do armário de Flor, e envolveu-se numa capa preta, tento o cuidado de cobrir a cabeça com o capuz da mesma. Ninguém iria reconhecê-la.

Aguardou, escondida, que Maurício saísse do consultório do tio, e, imprudentemente, segui-o. Ele ia se afastando da cidade e ela também...

 

Alice, depois de muito andar, começava a achar que aquilo não fora boa ideia, mas já que tinha ido até ali, continuaria. Estavam agora perto de um conjunto de casas simples de madeira, todas seguidas e pobremente cosntruídas. Quando Maurício abrandara o passo... Alice já não tinha a proteção de edifícios para se esconder, estavam praticamente em campo aberto. Ele sabia que era seguido. Mas que interessava? Era para falar com ele que se dera a este trabalho.

Já junto dele viu fixá-la nos olhos.

- Menina Alice não devia estar aqui sozinha! Principalmente a estas horas! Venha, vou acompanhá-la a casa. - o jovem estava hirto, e transparecia alguma apreensão

- Não. Não vou enquanto não me disseres a verdade. És o meu Marco, não és? - Alice fora directa ao assunto, como seu costume, e cruzou os braços qual menina a fazer uma birra.

- Desculpe?! Não sei do que fala - Respondeu numa voz trémula - O meu nome é Maurício sabe-o bem. Não conheço nenhum Marco!

-Alice leva a sua mão ao braço dele e aperta-o, força-o a olhá-la, uma vez que ele evitava-lhe o olhar  - Eu sei que tens medo. Mas eu sou a tua amiga, a tua irmã de leite! Nunca te denunciaria.Preferia morrer!

- E eu preferiria morrer no seu lugar! - Dito isto, uma lágrima solta-se daqueles negros olhos e rebola por uma face com músculos contraídos.

Alice não precisou de mais nenhuma confirmação! Atirou-se nos braços do "seu Marco" e os dois liberaram anos de angústia por um destino que os separou prematuramente.

 

Marco segurou-a pelos ombros e afasto-a de si.

- Alice, por favor, serei sempre o Maurício, ouviste? - Estava sério e os seus olhos estavam vermelhos de chorar.

- Não te preocupes meu amigo. Nunca te poria em perigo - Disse limpando a face com as costas da mão.

- Agora vamos. Eu acompanho-te antes que alguém dê pela tua falta ou anoiteça.- Arranjarei maneira de te contar tudo, mas não nestas ruas. Aqui até as pedras da calçada têm ouvidos! Por isso, não me faças perguntas. Não agora.

 

Alice concordou. O mais importante do que precisava saber já o sabia. Marco não estava mais perdido para ela.

 

Dias depois, Marco conseguiu esgueirar-se do consultório do Tio Alberto, e sob o pretexto de buscar um livro ao escritório da casa do mesmo, conseguiu finalmente o encontro esclarecedor com Alice.

Ele e o seu pai, Justino, tinham fugido para um quilombo no meio do mato. Tinham sido bem recebidos mas o seu pai não se dera bem. Começou com febres que tanto vinham como iam. Começaram a achar que era por estar ali, fechado e rodeado de mato por todo o lado. Numa de suas melhorias resolveram, ele e mais três negros, aventurar-se até uma cidade maior. Sabiam que se preparava uma revolução e queriam estar à frente dela. A viagem foi horrível para o seu pai, já que estava fraco, e ele piorou. Conseguiram chegar à cidade mas o seu estado já não lhe permitiu aguentar muito tempo. Pouco depois faleceu.

 

Marco como que fora adoptado por dias negras vendedoras de legumes, que o ajudavam. Conseguiu emprego como carregador, varredor, enfim, fez de tudo um pouco. Mas o seu porte elegante, e o facto de saber ler, conseguiram o emprego junto do seu Tio Alberto, por pura sorte! Quando este foi visitar uma doente nas casas de madeira. O seu tio fazia serviço gratuito imensas vezes, e conheceu uma criança que acompanhava a mãe na venda de legumes, cuja respiração não lhe agradava, a partir daí começou a consultar a menina cujo estado casa vez inspirava mais cuidados. Essa era a casa de uma das mães adoptivas de Marco. Este vendo o tio de Alice atrapalhado com o trabalho,  e como forma de pagamento, ofereceu-se para ajudá-lo e daí até à oferta de emprego foi um instante.

 

Alice também lhe falara sobre a sua mãe, a Dôdo, e contara como o pai dela se tornara o pior fazendeiro para os escravos.

 

O tempo foi passando, Alice e Maurício tinham cuidado para nunca serem vistos a conversar, muitas vezes encontravam-se nas reuniões, cada vez mais fervorosas sobre abolição e ocasionalmente o tio Alberto convidava-o para beber um licor no fim das mesmas.

 

Mas nada fazia esperar a notícia que espantou Alice. Flor andava feliz desde há uns dias e já todos sabiam que ela o motivo seria um jovem e não tardou até que a mãe dela, a cozinheira Anastácia , o quisesse conhecer. Beatriz oferecera-se para que o jantar fosse em sua casa. Afinal Flor era a melhor amiga da sobrinha e todos gostavam da jovem negra despachada e alegre.

 

Quando Flor o acompanhou até à sala Alice nem queria acreditar no que seus olhos viam. Era Marco, ou Maurício, que estava às sua frente!!!

Será que Flor sabia a verdade?

 

Meus incautos leitores, que um dia vos lembrastes de ler o que eu escrevo, já sabeis que não consigo abreviar histórias. Por isso, lamento, mas

 

continua

 

13 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D